segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Jantar de Natal

O meu prato principal e sobremesa de natal não passaram de pratos simples e acessíveis. Como prato principal fiz beringela em molho de tomate e como acompanhamento um puré de batata doce. Infelizmente apaguei a foto mas a receita e o aspecto podem ser vistos aqui no site da Ana Galvão. Como sobremesas tive um bolo de bolacha (já devem ter reparado que é um dos meu bolos preferidos) e um salame, que foi uma nova experiência culinária para mim e também não há fotografia porque não me lembrei. Comi ainda uns quantos mon cherie (sim, é vegan ^_^).
Espero que tenham tido uma boa noite junto da família :)




sábado, 5 de dezembro de 2015

Papas de milho

O inverno pede pratos quentes e fáceis porque ninguém gosta de estar na cozinha muito tempo com o frio que já se sente. Papas de milho são uma receita que a minha avó me fazia muitas vezes durante a minha infância. Aproveitem esta fácil receita para ficarem mais tempo tapadinhos no sofá!

Ingredientes:
200ml de água
3 a 4 colheres de sopa de farinha de milho
manteiga vegetal
sal
acúçar amarelo
canela

Preparação:
Aquece-se a água com as colheres da farinha de milho que podem variar consoante o gosto; eu prefiro as papas mais para o líquido, por isso ponho 3. Adiciono um pouco de sal e meia colher de chá de manteiga vegetal. Mexendo sempre, porque é natural que a farinha pegue, deixa-se levantar fervura e de seguida esperam-se mais uns 10 minutos em lume médio (mexendo sempre!). Quando servir junta-se o acúcar e a canela a gosto. O último passo é ir para o sofá, tapar-se com a mantinha e ligar a tv ^.^
Espero que gostem!


sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Efeito nocivo da individualidade

Há uns dias vi um vídeo no youtube de um rapaz que fez um experimento social que consistia em parar os carros em que os condutores estivessem a utilizar o telemóvel e pedir-lhes que não o fizessem visto que a rua era movimentada e podiam provocar um acidente, matar alguém ou a eles mesmos. Todas as pessoas ficaram muito chateadas, porque ele meteu-se na vida delas. Quem era ele para lhes mandar parar de usar o telemóvel? Ah, e pelos vistos todas as chamadas em que estavam era importantíssimas por isso era impossível desligar! Certo é que, ao cometermos certas acções como a de utilizar o telemóvel na estrada estamos a pôr em risco a própria vida e a de todas as pessoas que circulam nos passeios e passadeiras, mesmo assim estas pessoas diziam que ele não tinha de as importunar (houve até quem dissesse que se batesse com o carro não fazia mal). 
O que quero sublinhar aqui é que o mesmo acontece em relação ao consumo de peixe. Em 2048 é certo que não haverá peixe nos oceanos e mesmo assim as pessoas que os comem acreditam que ninguém tem de as impedir de comer certas coisas. Mas eu, que não consumo peixe e procuro salvá-los terei um mar vazio sem ter feito nada de mal. É preciso repensar certas acções e principalmente pensar nelas como um todo e não como um indivíduo. Estamos todos neste mundo e queremos continuar, quem não quer não prejudique a vida dos outros só porque não gosta da sua.


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Além do Carnismo

Este é um vídeo de uma palestra que explica a psicologia por trás do consumo de carne. Interessantíssimo!

"Existe um dom na nossa dor. A nossa dor é o espelho que reflecte a nossa humanidade"

"As falácias carnistas estão incorporadas na base do sistema. Aprendemos a observar o mundo pela perspectiva do carnismo."

"Todas as atrocidades foram possíveis porque se fechou os olhos a uma realidade considerada demasiado dolorosa para se enfrentar. Todas as transformações sociais foram possíveis devido aos que escolheram tomar conciência."





sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Pombos

"Pombos? São uma praga autêntica", "Eu tenho lá uns sacos na varanda para os afastar que eles cagam-me tudo", "Eu afojento-os sempre que os vejo na rua". Eu, eu, eu, eu e mais eu. Mas o que é que os pombos fizeram de tão errado para receber tanto ódio? Nada. As pessoas odeiam pombos porque circula por aí a ideia de que como há muitos eles são uma praga e porque não nos são úteis (apesar de haver quem os coma). O ser humano tem a péssima ideia de que os animais são objectos, logo se não servem para nada podem ser maltratados. Este pensamento é sobretudo dos mais velhos. Se têm avós ou pais que afujentam estes animais podem e devem dizer-lhes que o mundo é de todos e que os pombos são necessários porque embelezam a cidade com os seus voos e porque os gatinhos gostam de os ver do outro lado da janela. Se cagam? sim, e quem não o faz? Quem polui os oceanos? Quem destrói habitats? Quem deita árvores abaixo? Somos obviamente menos necessários que eles....

Gostava que os pombos me pudessem compreender porque diria imediatamente que a minha varanda é livre de ignorância, ódio e crueldade. São bem vindos à minha casa.


quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Sopa de cenoura e gengibre

Recentemente adquiri gengibre para fazer chá contra as enxaquecas, mas arrependi-me de comprar tanto. Lembrei-me então de fazer uma sopa de cenoura e aproveitar o gengibre a mais. Aqui está a receita!

Ingredientes:
4 a 5 cenouras
1 cebola
gengibre
azeite
sal
salsa (opcional)

Preparação:

Inicialmente é necessário cortar as cenouras e a cebola e pô-las a cozer, adicionando logo o sal e um pouco de azeite.


Seguidamente corta-se o gengibre em pequenos pedaços, mais ou menos a quantidade que se vê na imagem. O meu prato do porquinho nao é lindo!?


Coloca-se o gengibre na panela quando a cenoura estiver quase cozida.


Finalmente é só passar pela varinha mágica, polvilhar com salsa e colocar mais sal se necessário!


segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Veganismo e a religião

Por favor, acordem para este facto: o veganismo não é uma religião. Não vos peço para seguirem nenhum Deus, nem para rezarem antes de comer, nem para desistirem das vossas próprias religiões se acreditarem nalguma. 
Mas vejam que nenhuma religião defende que somos carnívoros e que devemos matar animais para comer. Por outro lado, todas dizem que não devemos matar, devemos amar, perdoar, ser generoso, ter compaixão... Como é que podem acreditar que Deus é bom e misericordioso mas acreditar que ele aceita a tortura e o uso de determinados animais?
Os animais são os seres mais maravilhosos e inocentes que temos no planeta; é preciso que sejam incluídos na lista dos seres a ser protegidos.


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Carnistas que procuram compreensão

Acho curioso que, quando digo que sou vegan ou simplesmente que não como carne imediatamente surge alguém que me quer fazer garantir que "já nem come muita carne" ou não come apenas carne de porco ou outra qualquer. Quem se preocupa minimamente não se importa com a quantidade de carne que determinada pessoa consome; quem come come. Nao há compreensão possível; não há desculpa possível; não há aplausos nem chapadinhas nas costas ok?


sábado, 29 de agosto de 2015

Zoos humanos?

As pessoas que não compreendem como os jardins zoológicos são terríveis para os animais deveriam saber que não muito longe dos nossos dias existiam zoos humanos. Isto é, pessoas consideradas diferentes eram exibidas em jaulas tal como os animais são. Africanos e asiáticos eram os principais expostos aos olhares de curiosos que pagavam para os ver.
Aqui ficam umas fotografias para que perguntem a vós mesmos porque razão era ridículo existirem este tipo de zoos mas não os atuais:


Criança africana que foi exibida num zoo da Bélgica em 1958


Alguns chegavam a ser forçados a dançar como forma de entretenimento para os visitantes


Em 1881, 5 membros de uma tribe do Chile foram raptados e levados para a Europa a fim de serem exibidos num zoo

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Corajosa?

Uma das coisas que frequentemente oiço depois de dizer que não como carne é que sou muito corajosa! Afinal quem consegue abdicar de algo tão saboroso? 
Eu acho que corajoso é quem consegue continuar a consumir carne depois de saber o que os animais sofrem nos matadouros... Mas não é uma coragem boa, não deve ser aplaudida.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Sejam justos, ajudem a minoria

Porquê ser contra testes em animais e ser a favor de os matar para comer?
Porquê ser a contra as touradas por serem desnecessárias e bárbaras mas pagar para matar outros seres? Tudo isso é desnecessário. Tudo.
Que parte de vocês vos diz que umas coisas são horríveis e condenam quem as apoia mas depois são infieis a vocês mesmos ao fazerem parte de outras?
Porque não ser a contra todas as formas de violência? Não escolham apenas o que convém. Sejam fiéis aos vossos próprios ideais. Não sejam politicamente corretos, sejam justos. Não queiram agradar a maioria, ajudem a minoria. Ninguém é perfeito e não é possível salvar todos os animais por isso vamos salvar aqueles que conseguirmos e continuar a evoluir e a fazer um bom trabalho pela saúde do planeta.


terça-feira, 11 de agosto de 2015

Boa notícia!

No Outono deste ano será inaugurado nos Estados Unidos da América o primeiro museu dedicado à relação entre humanos e animais, Museu Nacional dos Animais e da Sociedade. A sua função é explorar a vida dos animais e a sua relação connosco.
Vejam o vídeo clicando no seguinte link para saber mais.


Um museu com esta temática significa um avanço considerável no que toca à educação que é dada a quem ainda não respeita certas espécies de animais. 

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Cecil e outros animais são homenageados


Isto é ser humano. Preocupar-se com os outros, mostrar amor independentemente da raça, cor, etnia ou espécie...Vamos ser humanos de uma vez por todas.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Alerta sobre o consumo de mel

Eu, sendo uma pessoa que tem um medo muito grande de abelhas até poderia não as defender, no entanto o que está em causa é a sobrevivência do planeta inteiro. Recordo-me que, no ano passado, apareceram-me quatro abelhas em casa e este ano nem uma apesar de abrir as janelas todos os dias. De facto, já sabia que as abelhas estavam a desaparecer cada vez mais depressa mas não ao ponto de mal as ver pela rua ou de conseguir estar na praia sossegada. Pena é que as pessoas não percebam o mal que fazem quando consomem mel. As pobres abelhas (eu não disse isto...) já estão a ser atacadas por outros agentes e ainda têm as pessoas gulosas a pagar para as matar. E mais uma vez, sem necessidade.
É urgente parar o consumo de mel para que as abelhas se consigam voltar a reproduzir. Sem abelhas não há frutos, sem frutos não há comida. Ou seja, extinção de espécies em massa, incluindo a nossa.


sexta-feira, 24 de julho de 2015

Email para denúncias de maus-tratos a animais

A PSP criou o seguinte email defesanimal@psp.pt que serve exclusivamente para denunciar maus-tratos a animais. 
Não tenham receio de denunciar alguém, até porque podem fazê-lo de forma anónima. É importantíssimo cada um de nós contribuir para uma civilização mais justa.


Mais informação em: DN Portugal

terça-feira, 14 de julho de 2015

Paraíso

Se tivessemos uma relação de harmonia com os animais viveríamos mais perto daquilo que projectamos como sendo o paraíso. Não é preciso ser-se religioso para entender isto. Parece-me a mim que as pessoas escolhem todos os dias viver no inferno.



terça-feira, 23 de junho de 2015

IMPORTANTE

Assinar e partilhar!


Comer cães não é diferente de comer porcos, vacas ou peixes. O cenário é igual, só o animal muda. Têm pena de ver cachorros em jaulas, totalmente assustados, mas pagam a outras pessoas para que castrem e arranquem os dentes a porquinhos bebés?
Para mudar o mundo temos de nos mudar a nós mesmos.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Desafio "Love My Body"

Deixo aqui as fotos do desafio "Love My Body" feito pelo canal do youtube FullyRawKristina, que consistia em comer pelo menos uma refeição vegan totalmente crua durante 14 dias. Não pude tirar fotografia do total das refeições mas aqui ficam a maior parte delas.
Existem vegans que preferem optar por comer apenas refeições cruas porque quando cozinhamos os alimentos eles perdem algumas propriedades. Eu quis experimentar até porque não tenho jeito nenhum para cozinhar e não gosto de esperar que o fogão faça a comida. xD
Espero que gostem e vos abra o apetite.

Gelado de chocolate e canela

Batido energético de banana e morango

Courgette em palitos com molho de abacate e manga

Salada primavera com guacamole

Sumo de maçã e pepino

Burritos com molho de pimento

Gelado de chocolate e menta

Batido de ananás e couve

Lasanha

Salada com chili

Cheesecake de frutos vermelhos

sexta-feira, 29 de maio de 2015

8 meses depois...

8 meses depois de me tornar vegan já tenho mudanças significativas que quero partilhar. 
Para começar, não emagreci. Provavelmente porque nunca fui gorda mesmo... Noto que a minha barriga está um pouco menor, no entanto ainda tenho esperança que o veganismo e o exercício físico curem a minha esteatose.
A maior mudança até agora (talvez por ser a mais visível) é a minha pele. Os bicos - ou borbulhas, como dizem cá em Lisboa - só aparecem quando estou perto de menstruar. E, mesmo assim não aparecem todos os meses.
Não sinto aquela falta louca e doente de comer doces. Pelo contrário, raramente penso neles. Troquei os bolos e os chocolates pelos frutos secos e saladas de fruta.
Por último, é de salientar que antes de me tornar vegan tinha uns desmaios estranhos, supostamente causados por falta de açúcar. O que é curioso porque era o que mais ingeria... Novidade: nunca mais desmaiei! YEY!
Bónus: Nada como dormir de consciência limpa.

Não percam o próximo episódio porque isto vai ser só evoluir! ;D


quinta-feira, 28 de maio de 2015

Mega batido!

Este é o meu pequeno almoço para esta época em que os morangos voltam ao supermercado. Um mega batido que me sacia durante mais horas que um pequeno almoço tradicional. Mas, às vezes acompanho-o com duas fatias de pão integral com manteiga de amendoim. Tem proteína, vitaminas e antioxidantes!
É simples e delicioso!

Ingredientes:
1 banana
4 ou 5 morangos
leite de soja (ou amêndoa)
2 colheres de côco ralado
2 colheres de gérmen de trigo
canela (opcional)

Preparação: Pôr todos os ingredientes num liquidificador.


sábado, 2 de maio de 2015

Bolo de bolacha (de côco)

Esta receita é perfeita para quem quer um bolo fácil e relativamente rápido de fazer. 
Eu não gosto de côco, só o pus no bolo porque foi uma surpresa para o meu namorado, no entanto, até eu adorei o resultado e vou passar a fazer sempre desta maneira. ✌

Ingredientes:
1 pacote e meio de bolacha maria 
180g de açúcar amarelo
150g de manteiga vegetal
3 colheres de sopa de leite de soja
café
côco ralado

Preparação: Bater o açúcar, a manteiga, o leite de soja e 2 colheres de sopa de côco ralado até se obter um creme homogéneo. Se for preciso juntar mais leite pode-se sempre fazê-lo, mas é preciso cuidado para que não fique líquido. Num prato de sopa (porque é mais fácil para molhar as bolachas) coloca-se o café, que deve estar à temperatura ambiente ou frio. Molham-se as bolachas e forma-se uma flor, como a que se vê na imagem. De seguida barra-se com o creme feito anteriormente. Colocam-se bolachas molhadas em café por cima das que já têm o creme, e assim sucessivamente. No final, barra-se com o resto do creme até que as bolachas fiquem todas cobertas. Polvilha-se com côco ralado. Está pronto a servir depois de, no mínimo, 2 horas no frigorífico.



NOTA: Se o que pretendem é fazer um bolo de bolacha com o sabor tradicional basta não adicionar o côco à receita.

sábado, 25 de abril de 2015

Liberdade?

Num dia em que acordo com gritos de um homem ("viva a liberdade!") relembro mais uma vez as grandes vítimas diárias realizadas pelas nossas próprias mãos: os animais. Animais que usamos consoante as suas características - ou pela carne, ou pelo pêlo, ou pelo nosso entretenimento... Um porco só serve para comer, enquanto um golfinho deve ficar fechado numa piscina a dar saltinhos; um cão deve ser amado e respeitado e, quanto aos gatos, tenham cuidado, porque na verdade eles não merecem confiança total. E só porque sim, porque nos ensinaram que assim é que deve ser e porque nos habituámos a viver desta maneira. No entanto, ao crescermos, ao conhecermos as injustiças das quais nós próprios somos vítimas e ao rebelar-nos com o que nos rodeia, deveriamos acordar para o facto de não sermos tão diferentes de quem nos faz mal. Nós também roubamos, torturamos e matamos. Não diretamente, mas fazêmo-lo. Por isso vale a pena pensar se o mal que nos cai em cima é assim tão injusto, especialmente quando choramos e perguntamos "porquê eu? que mal fiz eu ao mundo para merecer isto?". 
Se dizem não ao sexismo e ao racismo, digam também ao especismo. Caminharemos assim juntos para um mundo mais justo. Só seremos verdadeiramente livres quando soubermos apreciar a liberdade alheia.


segunda-feira, 13 de abril de 2015

"Marcha" da ANIMAL

No Sábado, dia 11 de Abril, estive presente no encontro anual da ANIMAL. Foi um dia muito bem passado! Boa música e comida excelente... Comi um bolinho de beterraba que tinha uma textura super divertida e uma tarte de espinafre e soja que me soube mesmo muito bem.
Foi muito bom ouvir o que as pessoas que discursaram tinham a dizer.Ao ver tantas pessoas juntas pelos animais, não me senti sozinha Recuperei a esperança que quase tinha perdido e senti-me orgulhosa por fazer parte de um grupo com intenções tão boas!


segunda-feira, 6 de abril de 2015

Criar um filho vegan

Li hoje esta fantástica publicação de uma mulher sobre o seu filho vegan. Fala por ela mesma e pelas outras mães vegan que são atacadas porque estão a "subnutrir" os seus filhos ou a "privá-los da vida social".
Este tipo de testemunhos são importantes para mostrar que o veganismo não põe ninguém em risco de vida e muito menos torna alguém inapto a viver em sociedade. É preciso espalhar a palavra de que ter gosto pela própria vida e pela vida dos animais não é nada mais do que aquilo que todos deveríamos seguir.
Vale muito a pena ler.
Basta clicar no link abaixo.

sábado, 4 de abril de 2015

Esparguete com pasta de soja e vegetais

Ingredientes:
esparguete
soja granulada
brócolos
feijão verde
natas de soja (as da marca Área Viva são 89 cêntimos cada, o mais barato que encontrei até agora)
azeitonas (opcional)

Preparação:
Inicialmente cozem-se os brócolos com o feijão verde.
Enquanto se espera põe-se a soja em água fria ou morna para hidratar, mas a granulada não precisa de estar de molho muito tempo, uns 5/7 minutos é suficiente.
Corta-se alho e deixa-se em azeite no lume até alourar. Cortam-se aos pedacinhos os legumes cozidos e põem-se nos alhos juntamente com a soja. Para temperar usa-se sal, colorau e salsa. É importante mexer sempre porque a soja absorve muito bem os líquidos e corre-se o risco de começar a colar. Uns 10 minutos depois colocam-se as natas e deixa-se em lume leve durante 10 a 15 minutos.
À parte coze-se o esparguete.
Podem-se colocar azeitonas para tornar o prato ainda mais bonito.



NOTA: Não coloco quantidades porque faço sempre a olho e sinceramente não tenho jeito nenhum para a cozinha. Sempre que uma receita funcionar coloco aqui.

sábado, 21 de março de 2015

Parabéns para mim!

Faz hoje 4 anos que não como carne! 

E a única doença que me persegue são os carnistas armados em médicos!



sexta-feira, 20 de março de 2015

sábado, 14 de março de 2015

Para refletir

Há umas semanas atrás vi um programa sobre umas tribos da Ásia do Sudeste que vivem totalmente isoladas daquilo a que chamamos civilização. A equipa filmou um homem que queria arranjar mel para dar à mulher, porque ela andava já chateada com ele por essa razão (ele disse mesmo isto numa conversa com um amigo ahahahaha). Então vemos esse homem subir uma árvore enorme -  processo que durou mais de 1 hora - e quando lá chega as únicas formas de se proteger das abelhas são fumaças e umas folhas que sacode contra a pele. Ele pega nos favos de mel, desce a árvore e delicia-se com a mulher e os filhos (ainda enxotando as abelhas).
Porque é que somos os civilizados se afinal comemos o mesmo que aquelas tribos que têm de procurar alimento por si mesmas? Onde é que somos mais avançados que eles? Será porque não andamos com os genitais destapados? Porque é que a estas pessoas chamamos selvagens se nós é que pagamos a outros para fazer o trabalho sujo? 
Estranho não é?

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Especismo

Especismo. Palavra nova para muitos mas com a qual estou bem familiarizada. O Especismo é a discriminação relativamente a seres de outra espécie. A nossa espécie, a humana, considera que tem todo o direito de usar, roubar, torturar e matar só porque é humana. Peço aqui que percebam que "o especismo está para a espécie assim como o racismo está para a raça". Tal como faziam dos negros escravos, fazem hoje determinados animais. E quem disser que não se podem comparar pessoas com animais já está a ser especista, porque nenhum dos dois quer ser escravizado ou morto para bem estar de ninguém. 

Frases comuns de especistas (identifiquem as falácias):
"Eu gosto de animais, não como carne de vaca"
"Os animais não sofrem"
"Os animais são felizes se viverem ao ar livre nos matadouros"
"Deus fez-nos superiores às outras espécies"
"Os animais comem-se entre si,, podemos fazer o mesmo"
"Comer carne é uma opção pessoal"

É contra o especismo que eu luto. É a favor da liberdade de todos os seres que habitam este planeta que quero que lutem.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Rótulos: sabes identificar estas substâncias?

Quando nos preocupamos com o bem estar animal observamos os rótulos de todos os produtos antes de comprar. Através desta acção vamos percebendo que, para além de enganarem as pessoas dizendo que os seus produtos são saudáveis, também dizem, por vezes, que os ingredientes são extraídos de "fontes naturais".  Os animais não são fontes da natureza logo, este termo não devia ser utilizado. Claro que o único objetivo das empresas é atrair clientes e mantê-los.
Apresento-vos ingredientes de origem animal que utilizam em diversos produtos de higiene, cosmética e alimentação.

Corante E120/Carmim/Cochonilha - Estes são os nomes pelo qual é conhecido este ingrediente. Este corante, que insistem em designar como "corante natural", é extraído de insectos. Para produzir 400 gramas precisam de morrer cerca de 70.000 animais. Esta substância de cor vermelha só existe nas fémeas e atinge a sua concentração máxima quando elas estão grávidas. Encontram-na facilmente em cosméticos de cor vermelha ou rosa (batons, por exemplo), roupa, champô, alimentos com sabores de frutos vermelhos (biscoitos, gelados, sobremesas, entre outros).

Queratina - A queratina também é de origem animal. É extraída de penas de aves, chifres, cascos e pêlos de diversos animais. Para alem disso, é comum o uso de proteínas do leite. E esta substância encontra-se em champôs, condicionadores, cremes, etc.

Gelatina/Gel - Esta poucos querem reconhecer mas de facto a gelatina é obtida através de tendões e ossos fervidos (just weird uh?). A gelatina encontram em sobremesas, gomas e alguns cosméticos.

Colagénio - Proteina que só se encontra nas células animais. É usada em produtos hidratantes.